sexta-feira, 15 de maio de 2015

Em toda parte


Lá estás!

Onde estás?

No mais profundo abismo

Nos meus pensamentos

No meu deitar e levantar

Quando eu ainda nem sei se vou falar

Lá estás!
 
Se tomo as asas da alvorada, a voar, voar, voar

E me detenho no confim dos mares. Lá estás!

A me guiar e ajudar!

Ainda que eu tema a escuridão,

Ainda que eu tema a noite.

Lá estás!

O que difere a noite do dia para ti?

Ali tu também estás!


Eu ainda não existia, mas já havia sido gerada no teu coração. No teu querer!

Meus dias já foram escritos por ti!

Nenhum deles lhe está encoberto!

Lá estás!


Como ansiar o sossego, a paz, a destruição dos homens maus

Se tu também os conhece e os ama tanto quanto a mim?

Se tu também os gerastes?

E lá estás! Ainda que não Sejas percebido...

Lá estás!

Oh, Deus quão insondáveis e grandiosos são os teus pensamentos!

Quão limitados os nossos!

Como ansiar um coração igual ao teu? Se jamais penetrou em

Coração humano a tua grandiosidade, o teu entendimento!

Santo, Santo, Santo é o Senhor!

Digno de toda Glória, Honra e Louvor!

Sonda-me Senhor, examina meu coração e me faz ver com teus olhos de misericórdia que teu amor é infindável e insondável.

E aquele que aparentemente é odiado, por ti é amado!

Prova-me, Senhor, nisso!

Para que eu possa alcançar o caminho da eternidade!

Assemelhando-me a ti na humildade!

Que o Senhor cresça, e que teu Nome seja exaltado!

Que eu diminua, para que, em mim tu sejas Glorificado!

Amém.

MM

05/2015