quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O NINHO NO POSTE

Em um emaranhado de fios, um abrigo frio.
Acolhedor por seu providente protetor.
Imponente por sua estrutura esquia.
Calado no seu cimento armado.
Pouco aconchegante no agito constante de uma via preferencial.

A vida surge no tempo exato.
Do rachar de uma estrutura,
frágil aos que veem.
Forte, aos que se libertam.
Perfeita, para quem determinou.

Poucos olhos alcançam tamanha maravilha.
Porque o olhar da humanidade, sem nenhuma humildade,
desconhece o Criador como a única existente forma de amor.
Permitindo que sua criação prevaleça em meio a destruição.

HONRA E GLÓRIA AO AUTOR DA VIDA AINDA QUE NO CAUS!

Mônica Menegassi