domingo, 6 de fevereiro de 2011

TRADUÇÃO

Hoje, depois do meu devocional, resolvi ler dois escritores de características bem diferentes, ambos com biografias de perdas irreparáveis, mas que os tornaram pessoas singulares. Facundo Cabral, com sua visão prática e profunda de vida, e Florbella Espanca, com sua poesia melancólica, as vezes apaixonada, as vezes desiludida, mas rara, bela, marcante. E quando paro para pensar que  ouso escrever alguns textos para traduzir minhas dúvidas e muitas vezes como um desabafo, penso que se Jó me conhecesse, diria: Moniquinha, escreves como uma louca! Mas o ímpeto de escrever acontece quando transbordamos em experiêcias de dor, de conhecimento, de vivência, e isso nos leva a contar através das palavras, nos textos, nas canções o que sentimos. Muitas vezes como um alerta, muitas vezes como se o computador ou o papel fossem nossos únicos aliados, porque não dizer cúmplices. Florbella diz que: "Se Deus nos deu voz foi para cantar..."
Eros Ramazzotti diz: "Se bastasse cantar com ternura pra acalmar esses dias
                              em que os homens perderam a doçura de cantar          
                              morreria!                                                                
                              Mas quem sou eu?                                                   
                              Mas quem sou eu?                                                  
                              Simples cigarra em que a voz é escrava da melodia..."  
                                                                                                                                                                
Eu, eu diria, parafraseando Ramazzotti, veja que coragem!
                              "Se bastasse escrever com verdade, com amor e          
                               sinceridade, para alertar, para evitar o engano, de      
                               escrever me atreveria sobreviver!                             
                               Mas quem sou eu?                                                 
                               Mas quem sou eu?                                                 
                               Simples mente conflitante em que as mãos são        
                               escravas da ousadia."                                            
                                                                                                          
Que Deus em sua infinita misericórdia nos inspire.